Não espere até que seja muito tarde para desenvolver um modelo de governança de dados

 

À medida que as empresas acumulam dados de várias fontes, perdem o controle sobre a qualidade e precisão dos dados. Se ainda não pensou nisso, é hora de parar com o ambiente entrópico e aplicar a governança de dados.

 

A maioria das empresas não cria um modelo de governança de dados até que surja um problema e esse é um momento terrivelmente inconveniente para começar, especialmente quando você está lidando com big data.

 

E quando dizemos "a maioria" das empresas, realmente queremos dizer uma GRANDE maioria. Embora apenas cerca de 15% das empresas adotem uma abordagem proativa para governar seus dados, 85% fazem a governança de dados de forma reativa, diz Anne Marie Smith, vice-presidente de educação e especialista em governança de dados corporativos com consultoria de gerenciamento de dados da  EWSolutions Inc.

 

Pode haver uma boa razão para esse desequilíbrio. Quando as empresas começam a coletar dados internamente em pequena escala, sentem que controlam suas informações. Mas, à medida que crescem e acumulam dados de múltiplas fontes dentro e fora da empresa, elas perdem o controle sobre a qualidade, exatidão e integridade de todos esses dados. Em algum momento, alguém dentro da empresa deve ter os meios para interromper os dados de qualquer fonte e aplicar algumas regras, uma ação que pode não ser bem recebida pelos usuários.

 

De fato, a governança de dados envolve algumas decisões impopulares que incluem a definição de políticas de uso de dados, controle do fluxo de dados e a definição de padrões para garantir que os dados sejam precisos, confiáveis e acessíveis somente às pessoas certas. Esses movimentos necessários podem trazer apertos na política de dados e processos cheios de restrições, protocolos adicionais e se a sua empresa usará o caminho do “sirva-se você mesmo”.

 

 

Governança construída desde o início

 

Health Care Service Corp., uma companhia de seguros médicos que implantou um sistema de dados Hadoop no ano passado para seus cientistas de dados, fez exatamente isso. A empresa não queria simplesmente abrir as comportas e deixar os cientistas de dados percorrerem dados não filtrados.

 

Seguindo boas práticas, a empresa criou um modelo de governança de dados que incluía regras de integração, preparação, limpeza e qualidade de dados, bem como um catálogo de dados e metadados para acompanhar a linhagem de dados e muito mais.

 

A governança de dados é percebida como um golpe violento. Mas, uma vez que o trabalho inicial de TI e das partes interessadas de negócios se completa e ferramentas de gerenciamento de dados estão implementadas, você pode avançar e confiar nas análises de business intelligence. Temos certeza que é muito mais esperto fazer o trabalho inicial e menos dispendioso no longo prazo, do que passar horas analisando e desconfiando dos dados ruins, ou ainda pior, confiar em dados errados.

 

Smith descreve um antigo cliente da área de serviços financeiros, que não possuía nenhum programa de governança de dados. Nenhum administrador de dados, nenhum programa de qualidade de dados, nenhum gerenciamento de metadados e nenhuma arquitetura de dados ou programa de integração de dados. Nesse ponto, a empresa estava tão desconfortável com o estado de seus dados, que "um pequeno exército de analistas verificava todos os relatórios antes de enviar resultados", diz ela.

 

Que colossal desperdício de tempo e recursos. Smith trabalhou com a empresa financeira para fazer uma avaliação de gerenciamento de dados empresariais e criar um plano de gerenciamento de dados, que incluiu a governança de dados, juntamente com um roteiro escalonado para implementar as recomendações. Ao governar os dados, a qualidade dos dados melhorou, assim como a confiança da empresa nos dados.

 

 

 

Cuidado com a hiperpersonalização

 

A governança de dados é particularmente importante para as empresas que utilizam dados sensíveis do cliente para ganhos comerciais, como varejistas e prestadores de serviços. Como observamos nos últimos anos, a linha entre o atendimento ao cliente hiperpersonalizado e a invasão assustadora de privacidade é estreita e nítida. Um movimento na direção errada pode prejudicar as relações com os clientes, a marca corporativa e os resultados finais.

 

Dentro da bolha corporativa, onde os ganhos dos clientes e os ganhos financeiros podem importar mais do que os caminhos que os colaboradores percorrem para chegar até aí, existe o perigo do pessoal interno fechar os olhos às regras de governança de dados.

 

Na verdade, a cultura corporativa é mais importante para a governança de dados, risco e sucesso da conformidade do que o mais detalhado modelo de governança de dados. Quando os funcionários estão incorporados de um comportamento ético e compatível, as empresas têm maior retenção de funcionários, uma reputação mais forte e eles são menos propensos a se comportar de maneira que resultem em grandes perdas, de acordo com o relatório de abril de 2017 da Forrester Research, "Cultivate Culture for Sustained GRC Performance."

 

 

Conclusão

 

Os desafios para estruturação e execução do seu projeto podem ser superados com o acompanhamento de uma consultoria experiente, para desenvolver uma estratégia e um planejamento adequados, que oriente tanto as decisões referentes às soluções técnicas e conceituais, visando atender as necessidades corporativas, com o melhor retorno sobre o investimento. Consulte-nos.

 

Não deixe de ler os outros textos de nosso blog, onde abordamos vários assuntos relacionados a BI, BA, MDM e governança de dados e saiba como as organizações estão se beneficiando com esses recursos.

 

 

Baixe nossos eBooks gratuitos:

Clique nas imagens para baixar

 

eBook: A evolução do Business Intelligence para o Business Analytics"

eBook 2: Tipos de gráficos para Business Analytics 

eBook 3: Entendendo o Master Data Management

eBook 4: Governança de dados